HOMES E CONTATOS
 ATUALIZAÇÕES DO SITE
M E U S  A R T I G O S
MINHAS ATIVIDADES
ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
 A U F A T I
CINEMA/TEATRO/VÍDEO
CONTRIB.,ARTIGOS,REPORT.
DIA INTERN. IDOSO
EDUCAÇÃO a DISTÂNCIA
EMPREGOS - OFERTAS
EMPREGOS PARA 3ª IDADE
ENVELHECIMENTO
EVENTOS,CURSOS,CONGRES.
F A M A
FARMÁCIAS ALTO CUSTO-Ends.
GOVERNO E COMUNIDADE
LEIS e PUBLICAÇÕES
L I V R O S
MÉDICOS E CLÍNICAS
M E N S A G E N S
MINIST. DA SAÚDE e SITES
OFTALMOLOGISTA
ODONTOGERIATRIA:O QUE É?
ODONTOGERIATRIA
P E S Q U I S A
PORTAL DO CONSUMIDOR
Boletim Idec Plano Saúde
Carro:chip poderá cair preço...
Casa própria em 30 anos
Celulares:Planos mais econômicos
Cláusula Abuso Plano Saúde
Como avaliar se imóvel...
Como limpar seu nome...
Como reduzir valor conta...
Consumidor deve receber...
Consumidor tem direito...
Crédito Imobiliário:riscos
Débito indevido na conta
DETRANS serão obrigados...
Direito de se arrepender...
Embalagens de medicamentos
Esperança do consumidor
Financiamento...
Inadimplência:aprenda...
Inadimplente:você conhece..
INSS novas mudanças
IPVA
MARCA PRÓRPIA - Produtos
Novo Plano de Saúde
Operadoras não podem...
Pagar a prazo e compra impulso
Pagar pela Internet
Para que você não seja...
Planos de Saúde
Procon alerta...
Quase metade das cçs...
Querem revogar Cód. Def.Consumidor
Recall é direito do consumidor
Segurança:conheça os...
Serviço mal prestado
Tarifas bancárias:6 principais...
TV Digital...
R E C E I T A S
REMÉDIOS GRATUITOS
SAÚDE E ATIVIDADE FÍSICA
SEU CURRICULO
S I T E S
SOC. BRAS. ASMÁTICO
UTILIDADE PÚBLICA
A R Q U I V O
LIVROS DE VISITAS/FORUM
   
 


Notícias


Quase metade das crianças vêem TV depois das 22h
1/6/2007


Dez da noite é hora de criança estar dormindo. Ou, segundo pesquisa recém-divulgada, assistindo TV. O canal pago Nickelodeon, direcionado ao público infantil, fez um levantamento com quase 400 entrevistados que revela: 38% das crianças estão de frente para a televisão entre 22h e meia-noite de segunda a sexta. Aos sábados, esse percentual sobe para 49%.

A pesquisa foi feita com crianças e adolescentes que assistem TV a cabo - um universo restrito, que corresponde a 8% da população brasileira. No entanto, segundo o diretor de justiça e classificação do Ministério da Justiça, José Eduardo Romão, esse dado se reflete entre os espectadores de canais abertos: é grande o número de crianças que vêem TV durante o horário considerado impróprio. "Nesse horário, há duas faixas: inadequado para menores de 16 e de 18 anos. Neste período podem ser exibidas cenas de sexo e violência que podem causar impactos, fazer as crianças sofrerem", afirma.

A diretora de pesquisas do Nickelodeon, Beatriz Melo, também não se surpreendeu com o resultado: "A gente já suspeitava. E é por isso que o canal tem, na parte da noite, um bloco com seriados como 'Alf' e 'Feiticeira', que podem agradar pais e filhos", afirma. Segundo Romão, essa é uma situação ideal - pena que quase ninguém tem o privilégio da TV paga no país. "Não é o que costuma acontecer com canais abertos. Para as crianças assistirem TV nesses horários, se for do desejo da família, é importante que o façam acompanhadas dos pais ou responsáveis. Ao lado de um adulto, fica mais fácil para um menor compreender cenas inadequadas".

Esse debate reacende a discussão da classificação indicativa, considerada uma forma de censura por boa parte das emissoras abertas: de que adianta as TVs de grande alcance respeitarem os horários "adequados" se as crianças não desligam o aparelho durante os horários "inadequados"? Para que serve então a classificação indicativa? Romão responde: "Para orientar os pais. É como orientação para comprar brinquedos - se você compra um brinquedo recomendado para crianças maiores de três anos para o seu filho de dois anos, vai ter de se responsabilizar caso a criança engula uma peça, por exemplo".

Essa "bula" serve para ajudar os pais que não podem ficar junto com os filhos vendo televisão. "E é assim com a maioria das crianças brasileiras. Não tem TV a cabo, não tem babá, muitas vezes fica sozinho enquanto os pais trabalham ou procuram emprego. E, claro, tem televisão", afirma Romão. Por isso, ele defende, é necessário que os pais saibam a idade recomendada para cada programa. "Se o adulto, ou mesmo a emissora, não quiser respeitar, não podemos fazer nada. Isso cabe a cada um, mas é preciso oferecer condições concretas para que os pais decidam."

O diretor do Ministério da Justiça explica que a classificação indicativa vale para todas as emissoras. O que muda são as regras de horário. "Na TV paga, basta que o canal mostre a idade indicada. Não podemos restringir conteúdo por horário. Isso fere o princípio básico da TV a cabo", afirma. Portanto, para ajudar os pais a controlarem o que seus filhos assistem, Romão defende o dispositivo do bloqueio. "Algumas operadoras já têm isso. Além de bloquear um canal, você pode bloquear apenas um programa específico."

No segundo semestre deste ano, o Ministério da Justiça deve distribuir uma "cartilha" de orientação aos pais com relação à televisão. O manual, que terá dez dicas - entre elas a sugestão de que os pais observem quem são os heróis dos filhos -, será distribuído nas escolas públicas e particulares.

Fonte: UOL.aprendiz

Nossas notícias são retiradas na íntegra dos sites de nossos parceiros. Por esse motivo, não podemos alterar o conteúdo das mesmas até em casos de erros de digitação.