HOMES E CONTATOS
 ATUALIZAÇÕES DO SITE
M E U S  A R T I G O S
MINHAS ATIVIDADES
ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA
 A U F A T I
CINEMA/TEATRO/VÍDEO
CONTRIB.,ARTIGOS,REPORT.
DIA INTERN. IDOSO
EDUCAÇÃO a DISTÂNCIA
EMPREGOS - OFERTAS
EMPREGOS PARA 3ª IDADE
ENVELHECIMENTO
EVENTOS,CURSOS,CONGRES.
F A M A
FARMÁCIAS ALTO CUSTO-Ends.
GOVERNO E COMUNIDADE
LEIS e PUBLICAÇÕES
L I V R O S
MÉDICOS E CLÍNICAS
M E N S A G E N S
MINIST. DA SAÚDE e SITES
OFTALMOLOGISTA
ODONTOGERIATRIA:O QUE É?
ODONTOGERIATRIA
P E S Q U I S A
PORTAL DO CONSUMIDOR
R E C E I T A S
REMÉDIOS GRATUITOS
SAÚDE E ATIVIDADE FÍSICA
SEU CURRICULO
S I T E S
SOC. BRAS. ASMÁTICO
UTILIDADE PÚBLICA
25 bolsas para os...
Ambulância e Emergências
ABENO tratamento dentário
Acidentes domésticos
A FRENTE informa...1
A FRENTE informa...2
Agências da Caixa abrirão...
Calcule Aposentadoria
Cons.Reg.Medicina lança manual
Cuidado carteira e documentos
Domínio Público
Dicas coleta óleo cozinha
Dicas sobre e-mail
Fundo 157
Gratuidade - 2º Via
Indicações
IPVA
Laboratório Lavoisier...
Medicamento fracionado
Não prenda o telefone...
REMEDIOS - Basta clicar
Sacos plásticos
Sites Úteis
SP amplia remédio gratuito
Telefones úteis
Tratamento Oncológico...
Voluntariado
Zona Azul
A R Q U I V O
LIVROS DE VISITAS/FORUM
   
 



Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
N° 556 - Brasília, 10 de outubro de 2007


Projeto de lei garantirá ampliação da oferta de medicamentos fracionados
Para atender aos direitos do consumidor e ampliar a oferta de medicamentos fracionados no Brasil, tramita com prioridade, no Congresso Nacional, o Projeto de Lei nº 7.029/2006. Quando aprovado, o PL vai determinar a obrigatoriedade, por parte da indústria farmacêutica, de produção desses medicamentos.

Atualmente, está em vigor um decreto presidencial que autoriza a fabricação dos fracionados, mas sem determinar a exigência proposta no projeto de lei.

Essa obrigatoriedade vai permitir que a população tenha à disposição, na versão fracionada, todos os tipos de medicamentos fabricados hoje. Isso significa proporcionar ao paciente a aquisição do produto na dose exata para a efetivação do tratamento. Além da economia, o acesso aos fracionados vai evitar a sobra de comprimidos e cápsulas, que ocorrem quando uma embalagem não contém a quantidade prescrita pelo médico. Esses medicamentos remanescentes estimulam a automedicação e ocasionam até a intoxicação especialmente em crianças e adolescentes com acesso fácil a tais produtos. Dados do Sistema de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox/Fiocruz) mostram que desde 1996 os medicamentos são a principal causa de intoxicação no País.

Por isso, como explica o diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica do Ministério da Saúde, Dirceu Barbano, a inclusão do fracionamento no Brasil faz parte de uma política de governo do uso racional de medicamentos. A política preconiza a utilização do tipo, quantidade e tempo corretos do medicamento.

Barbano conta que uma das maiores dificuldades ainda existentes na implantação dessa política é cultural.

“O consumidor está acostumado a comprar a tradicional embalagem e ainda não tem o hábito de pedir pela versão fracionada. Mas isso é uma questão de adaptação. O consumidor é sábio e quando houver uma oferta maior esta será sua primeira opção”, completa. 

Para a adoção da lei, o técnico do Ministério da Saúde diz que serão necessárias pequenas adaptações no comércio, como no controle de estoque e armazenamento. Já os laboratórios apresentam maior resistência alegando a necessidade de investimentos significativos em suas plantas industriais. “Apesar das dificuldades, o governo precisa ter uma postura mais incisiva para beneficiar o consumidor”, enfatiza Barbano.

Atualmente, há 152 tipos de medicamentos fracionados no mercado produzidos por 15 laboratórios que são indicados para o tratamento de hipertensão, alergias, úlcera, problemas de colesterol e de circulação, entre outros. A lista completa destes medicamentos pode ser encontrada no site da Agência  Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – www.anvisa.gov.br. Informações também podem ser obtidas no Disque-Saúde – 0800 – 611997. A ligação é gratuita.

Situação atual

O Projeto de Lei nº 7029/2006 já passou pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio e aguarda aprovação nas comissões de Constituição e Justiça e Seguridade Social e Família onde tramita com regime de prioridade na Câmara dos Deputados. Após esta etapa, segue para o plenário do Senado para votação final.

Saiba mais sobre os medicamentos fracionados
www.saude.gov.br